Just another WordPress.com site

Posts com tag “Banda RED FRONT

Os Anjos da Morte!

Venho falar dessa banda com propriedade – o RED FRONT teve o prazer de tocar com eles nesse ultimo fim de semana (dia 16/10) – o interior vem mostrando uma forte tradição em relação a bandas do estilo Heavy/Thrash é o Angels of Death, proveniente de Franca, é uma forte representante desta tradição. Apesar do nome ligado inevitavelmente a banda Slayer o Angels of Death mostra um som trabalhado com passagens melódicas e passagens mais rápidas e pesadas!

 

Nome: Angels of Death

Integrantes:

 MAGNO – VOCAL & GUITARRA
 GUSTAVO – BACKING & GUITARRA
 JORGE – BAIXO
 RAFAEL – BATERIA

Musica: 

LOOK

 

LOOK, AND OF WAR
 
 Destruction instinct 
 Satisfy your will 
 I look in your eye….(I see) Blood for blood 
 That had never ended 
 I process of the war 
 
 Although some stop 
 The way to kill 
 It will always be the same 
 Pulling the triggers
 Murderes in mass
 The search of the death  
  
 Look…. and make a request 
 I only hope is not for stopping….  
  
 Look… and do again 
 Now it is time of renewing 
  
 The intention is that all, 
 All go by that 
 War powders war 
 Satisfaction in you to have here 
 Are you afraid of the death? 

 

O que essa musica representa para banda?

Essa música foi composta no princípio de ideologia q a banda iria seguir, q no caso seria um estilo HEAVY-TRHASH, ela conta como seria o pensamento de homens voltado à vida de guerra. Homens que não tem medo de morrer por ela e vontade de estar lá por motivos próprios.

 

Quer saber mais sobre a banda, acesse:

WWW.MYSPACE.COM/ANGELSOFDEATHFRANCA


A Tempestade Thrash!

TORMENTA

O nome já diz tudo, o som desses caras parece vibrar na mesma sintonia de uma grande tempestade, na introdução tudo é calmo elementos vem aparecendo um à um, a música cresce de tal forma que quando o vocal entra tudo parece estar em meio a uma TORMENTA!

Graças ao blog eu descobri ótimas bandas e o mais legal é que muitas delas fazem suas letras em português, de uma forma a deixar a música muito mais rica. Esse é o caso da banda Tormenta, originários da cidade de Ribeirão Preto dês do final dos anos 90 esses caras vem fazendo um Thrash Metal forte e bem estruturado e em português!

Nome: Tormenta

Integrantes:

Rogener Pavinski – Voz e guitarra

Flávio Santana – Guitarra

Fernando “Muttley” – Baixo

Rafael Rissato – Bateria

Musica:

Desprezo e Ganância

(Rogener Pavinski Barbosa)

A indiferença que flui de suas veias

Faz você  pensar que é o maior

O ódio que salta de seus olhos

Faz você acreditar que é o melhor

As mentiras que escorrem da sua boca

Espalham o amargo veneno da hipocrisia

A máscara que usa não esconde

A verdadeira face de sua alma vazia

Verme que rasteja entre o lixo do poder

Com a cara na lama você não pode

Ver a luz que brilha na esperança

Apagada pelo desprezo e a ganância

Seus castelos de ouro

Apodrecerão com seu corpo

Sua falsa nobreza

Na alma será sua fraqueza

Caminha cego pela vida a esmo

Ninguém pode fugir de si mesmo

O que essa musica representa para banda?

Essa música é importante para nós, pois ela talvez seja a mais conhecida do nosso  pequeno repertório. Ela chegou a ser tocada na rádio, num programa muito conhecido de rock de Ribeirão Preto e toda a região.
Ela também foi a última música composta na velha fase da banda, com antigos integrantes.
Depois com a chegada dos novos companheiros de luta underground ela foi tendo novo arranjo e vida própria.Ela fala sobre todas as pessoas que pisam na cabeça de outros para subir na vida, sobre pessoas que tem mais consideração pelo poder e posição social do que valores morais como amizade e respeito e dignidade.

Quer saber mais sobre a banda, acesse:

Site: www.tormentametal.com

Myspace: www.myspace.com/tormentametal

Twitter: www.twitter.com/tormentametal

Contato: contato@tormentametal.com


Metal Front vol. I Conheça a banda Rhevan

Bom vamos dar continuidade a parceria entre o Imagem, Som e Fúria e a coletânea Metal Front Vol. I , segue a entrevista da banda de Symphonic Metal Rhevan!

 Banda da vez: Rhevan

 Banda de Symphonic Metal formada em 2007 por Thiago Azevedo. Em 2008 gravou sua 1º DEMO e em 2009 seu 1º cd. Passou por várias formações, fez vários shows na cidade em que reside (Campo Grande /MS), fora do estado e país também. Participou da seletiva regional w:o:a: e se encontra em período de ensaios com a nova formação. Atualmente a banda se encontra em período de pré-produção de seu 2º cd com a nova formação.

Influências: Nightwish, Within Temptation, Epica, Iron Maiden, Cradle of Filth,…

 Integrantes:

Daniele Navarro (Vocal)

Thiago Azevedo (Guitarra/Vocal)

Gleydson Keyler (Guitarra)

Aldo Carmine (Baixo)

Matheus Mattos (Bateria)

 INFORMAÇÕES RELEVANTES SOBRE A BANDA

Discografia: Frontline (Demo) – 2008, Perpetually (Cd) – 2009.

METALFRONT

Participa com a música: “Fortune and a name” (Faixa 03)

INTERNET

Site: http://www.rhevan.com

Myspace: http://www.myspace.com/rhevan

Twitter: http://www.twitter.com/rhevan

Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=33527842

CONTATO

E-mail: bandarhevan@hotmail.com ou thiagopmcazevedo@hotmail.com

Entrevista Metal Front – Rhevan

MF: O que siginifica o nome “Rhevan”?

 Não há significado, foi um nome que criamos pensando na sonoridade do mesmo.

MF: Quais são as principais influências artístico-musicais do Rhevan?

Épica, Nightwish, Angra, Shaaman, Iron Maiden, Dream Theater, Avenged Sevenfold, Guns´n Roses entre outros.

MF: Qual a temática das letras do Rhevan?

 Trabalhamos temáticas variadas, entre elas amor, guerra, fantasia, experiências de vida e influência da mídia na sociedade.

MF: A banda contou com algumas modificações na formação durante os anos. Quais foram os motivos dessas alterações e como isso afetou na sonoridade do Rhevan?

 Os integrantes saíram por motivos pessoais. Todos trouxeram um pouco de suas influencias e experiências pessoais, auxiliando a evolução da banda e constituindo uma personalidade própria.

MF: O Rhevan é um dos representantes de peso do Mato Grosso do Sul uma vez que a banda é de Campo Grande. Como é a cena metal na região? Existem locais que abrigam shows de metal? Existe algum incentivo?

 Infelizmente ainda é fraca, não há espaço para as bandas e público que curte o estilo. Poucos locais abrigam as bandas e quando começam a ter repercussão são fechados por conta da comunidade (infelizmente há vizinhos intolerantes e pessoas que não sabem curtir os shows, preferem a baderna a ouvir o som das bandas). O incentivo é fraco por parte dos órgãos culturais do estado, mas acreditamos que se a cena se unir e apoiar músicos e bares conseguiremos constituir uma cena forte aqui no estado.

MF: A banda possui dois trabalhos lançados (Frontline (Demo) – 2008, Perpetually (Cd) – 2009). Como o público interessado em adquirir esse material deve fazer?

Os dois CDs estão com cópias esgotadas, porém disponibilizamos o download completo de ambos em nosso Site e Myspace:

http://www.myspace.com/rhevan e http://rhevan.com/

MF: O Rhevan está trabalhando no novo álbum. O que poderia nos adiantar sobre ele?

Acreditamos que os fãs sentirão algumas diferenças na sonoridade da Banda. O som está bem mais pesado e agressivo, como dissemos antes, cada novo integrante sempre agrega algo novo e a entrada do novo baterista (Matheus Mattos) tornou nossas músicas mais velozes e técnicas.

MF: Conte-nos um pouco sobre o novo clip da banda!

 A expectativa é grande, pois já havia uma primeira versão deste clip e o resultado ficou ruim. Agora contamos com a ajuda de duas amigas e produtoras (Ana Borges e Paula Chrystie) o clipe tornou-se muito mais dinâmico e criativo, com elementos diferenciados e mais quentes por assim dizer!

MF: O Rhevan já se apresentou no Paraguai! Essa foi a primeira experiência da banda fora do país?

Esta foi nossa primeira experiência fora do Brasil e foi muito boa. A recepção dos Paraguaios e brasileiros que assistiram foi ótima. Tudo foi muito bom desde nossa hospedagem pelos organizadores do evento até mesmo o após show. Queremos agradecer imensamente o público do show e seus organizadores.

 

MF: Como foram as apresentações e qual foi o saldo final dessa tour?

Tivemos ótimas, boas e más apresentações, como todas as bandas. Tocamos em diversas cidades e estes shows superaram nossas expectativas. Gostaríamos de atingir mais cidades, mas a falta de patrocínio atrapalha essa possibilidade de expansão. Resumindo, ganhamos muita experiência e a cada show melhoramos nossa performance.

MF: Qual foi a situação mais bizarra, engraçada ou fora do comum que já aconteceu em algum show da banda?

Temos duas em especial, o show W:O:A na qual o nosso atual baterista Matheus (apelidado carinhosamente de Mateta) foi o pedestal de caixa humano do Aldo. Não sabemos como o pedestal da caixa quebrou bem no momento de nossa apresentação e se não fosse o Mateta segurar a caixa não sei se conseguiríamos tocar (valeu Mateta).

A segunda coisa foi o show de Cuiabá na qual a vocalista Daniele começou a passar mal antes do show. Até então não parecia tão terrível, mas após o show (sofrido para ela) a Dani foi dormir e começou a passar muito frio, não haviam cobertas (Cuiabá é muito quente), e ela se cobriu com o plástico que envolvia os colchões (trash e cômico). Quase amanhecendo fomos parar no hospital com a Dani, que não agüentava de dores no corpo. Estava com Dengue e teve que tomar soro, o engraçado foi o dono da casa de shows (Srº Cachorrão – obrigado por tudo o/), Thiago e Gleydson dormindo nas macas no mesmo quarto em que a Dani estava, até a enfermeira tomou um susto ao ver um monte de gente de preto no quarto capotados. Devem ter pensado que estávamos bêbados hehehehe…

MF: O Rhevan irá participar da coletânea Metal Front – Vol I com a música “Fortune and a name”. Ela é uma boa mostra do que é a música da banda? Recomendam mais alguma para o público conhecer?

Com certeza, é uma das melhores músicas do CD, mesmo assim recomendamos o CD inteiro, inclusive a demo pois todas foram trabalhadas com muito ardor e dedicação.

MF: Para finalizar deixe uma mensagem para o público que já acompanha a banda e para aqueles que conheceram agora!

Gostaríamos de agradecer a todos os fãs da banda que nos impulsionam a cada dia em nossa jornada, aos que nos convidam a realizar shows em suas casas e confiam em nosso trabalho. O novo CD promete aguardem, pois teremos muitas surpresas em 2011.


RED FRONT: ESTREIA DO NOVO CLIP (CIRCLE OF HATE)

RED FRONT: ESTREIA DO NOVO CLIP (CIRCLE OF HATE)

O RED FRONT acaba de estreiar o novo clip da música Circle of Hate.

Esse lançamento é apenas um aquecimento para o lançamento do novo álbum da banda, Memories of War, que será lançado em Outubro/2010.

Conheça mais sobre a banda visitando: www.redfront.com.br ou www.myspace.com/bandaredfront


Metal Front vol. I Conheça a banda CAOSCENTRIA

Hoje damos inicio na parceria entre o Imagem, Som e Fúria e as Produções RED FRONT, como todos já sabem as bandas que participam do Blog também recebem convite para integrar a coletânea organizada pelo RED FRONT intitulada de Metal Front vol. I a partir de agora cada banda confirmada na coletânea ganha espaço aqui no ISF com um post composto por informações sobre a banda, entrevista e espaço para divulgação no fórum da banda RED FRONT, na sessão BANDAS PARTICIPANTES DA METAL FRONT – VOL I.

Gostou da proposta? Está interessado em participar do Blog ou da Coletânea?

 Então mande um e-mail para isfuria@hotmail.com para participar!

 

Banda da vez: CAOSCENTRIA

 Banda de Thrash Metal formada no ano de 2003, com letras em português. A banda lançou duas “demos” não oficias (sem nome) com o único objetivo de divulgar a mesma. A banda já dividiu o palco com bandas importantes do cenário nacional, tais como: Claustrofobia, Andralls, Torture Squad, Korzus e muitas outras.
Influências: Slayer, Testament, RxDxP, Cannibal Corpse.

INTEGRANTES

Ivan Oliveira – Vocal
Gabriel Galbes – Guitarra
Camylo Oschinis – Guitarra
Rafael Galbes – Bateria
Breno Nardone – Baixo
INFORMAÇÕES RELEVANTES SOBRE A BANDA

Discografia: Demo Caoscentria (05), Demo Caoscentria (07).

METALFRONT

Participa com a música: “Revolta” (Faixa 02)

INTERNET

Myspace: http://www.myspace.com/caoscentria

CONTATO

E-mail: rafathrash@gmail.com ou caosthrash@gmail.com

 Entrevista Metal Front – Caoscentria

MF: De início faça uma breve apresentação da banda contando um pouco sobre o estilo que vocês tocam, localização, tempo de estrada, etc,…

(Gabriel) Achamos que rotular uma banda é algo meio complicado, pois ao longo de 7 anos de banda, conseguimos elaborar músicas que apresentam características diferentes. Desde o Hard Core até o Thrash/Death passando por vérias vertentes do Rock. Isso é algo que já estamos acostumados. Passou a ser característica da banda este tipo de coisa. Não somos a favor deste tipo de segregação, tipo “somos isso e não aquilo”. Por enquanto preferimos falar que Caoscentria é Caoscentria.

 

MF:  Comente um pouco sobre como foi formada a banda. Como os integrantes se conheceram.

(Rafael) Formada em 2003 na cidade de Embu Guaçu, com os irmãos Gabriel Galbes (guitarra), Rafael Galbes (bateria) e o primo Gustavo Galbes (baixo), ainda sem vocal, tinham como intuito de fazer um som mais para o lado “punk”, tipo Garotos Podres, R.D.P, Cólera etc. Mas não demorou muito para todos concordarem que não era muito o que a banda queria. Outras influências vieram aos nossos ouvidos. Bandas como Metallica, Sepultura, Testament e Slayer começaram a definir um novo rumo às nossas composições. Ao fim deste mesmo ano Camylo Oschinis, mais um guitarrista, entrou para a banda. Pouco depois, Gustavo deixou a banda por motivos pessoais e o Wellington Mendes assumiu o baixo. Até esta época o Camylo cantava todas as músicas, mas não era o que ele queria. No início de 2004  Ivan Oliveira entrou nos vocais. E assim permanecemos até agosto de 2005. Neste período foi gravada uma Demo com essa formação. Posteriormente, a única mudança que teve, ocorreu neste mesmo ano. Breno Nardone assumiu o baixo devido à saída de Wellington, consolidando a formação atual. Formação esta que gravou outra demo ao fim de 2005, sendo lançada só em 2007, e que dividiu palco com alguns grandes nomes do underground como Claustrofobia, Korzus, Andralls e Torture Squad.

 

MF: Qual o significado do nome Caoscentria?

(Rafael) Ainda nenhum. Entretanto, já que a palavra não existe (propositalmente), decidimos elaborar um significado e divulgar no primeiro play que está por vir. Por enquanto, as pessoas têm que se contentar com a interpretação da imaginação (risos).

 

MF: Qual a temática das letras do Caoscentria?

(Gabriel) Aborda-se no geral, a maioria dos problemas sociais, religiosos, econômicos e políticos, tentando enfatizar “causa” e “consequência” não só do Brasil, mas do mundo. Acreditamos que o sistema do “Capital em primeiro lugar” é responsável pela maioria dos problemas encontrados, tais como miséria, opressão, desigualdade etc. Claro que existem exceções nas letras de algumas músicas como é o caso de “Até o 12:00 h” e “Revolta” que expressam algum tipo de sentimento mais específico com algo cotidiano.

 

MF: A banda opta por escrever as letras em português ao invés do inglês como ocorre na maioria dos casos. Qual a razão disso? Seria uma forma de trasnmitir melhor a mensagem para o banger brasileiro?

(Gabriel) Exato! Não somos contra quem canta em inglês. Pensamos que existe pouco desta situação de cantar em português e isto de certa forma passou a ser uma característica da banda já que começou assim. E por outro lado, do ponto de vista cultural, achamos que os costumes brasileiros devem ser também divulgados da maneira que se pratica. Para nós será difícil abrir mão disso, entretanto, existem situações e situações…

 

MF: Ainda sobre as letras em português: Vocês já sofreram algum tipo de preconceito ou discriminação por parte de alguns bangers mais radicais? Se sim qual foi a postura adotada pela banda?

(Rafael) Não. Ainda não. E sinceramente acreditamos que não iríamos alimentar uma discussão deste tipo uma vez que todos sabem (ou que deveriam saber) que diferentes culturas existem para serem conhecidas e respeitadas.

 

MF: O Caoscentria possui dois trabalhos lançados em forma de cd-demo (Caoscentria 2005 & Caoscentria 2007). Como o público pode adquirir esse material? Além disso, existem planos para o lançamento de um álbum full lenght?

(Gabriel) Na realidade, a demo de 2007 foi gravada no fim do ano de 2005 também. Em dezembro. Apenas demorou a “sair” por questões financeiras.

            Percebemos que as execuções nestas gravações não foram satisfatórias. Apesar do ótimo trabalho do Ciero e do Trek do estúdio “Da Tribo” com gravação analógica, só percebemos que não aproveitamos a situação “aos 45 do segundo”. A banda estava se acostumando a tocar o estilo ainda. Era algo muito recente e aprendemos as duras penas que este tipo de trabalho tem que ser feito com calma, maturidade e muito profissionalismo. Então, os registros de algumas músicas estão no myspace da banda (www.myspace.com/caoscentria). A banda não divulga o que não está lá. Entretanto, esta internet de hoje em dia…

            (Rafael) Ultimamente nós demos uma maneirada nos shows em virtude dos estudos para a gravação do primeiro álbum. Assim que houver uma previsão divulgaremos o andamento da situação.

 

MF: Fazer música pesada no Brasil é para poucos corajosos. O que vocês têm a dizer sobre isso? Qual a opinião da banda em relação ao underground brasileiro nos dias atuais?

(Gabriel) Claro que existem vários fatores que influenciam na decisão do estilo a ser tocado ao se montar uma banda. Mas acreditamos que uma das principais é o próprio “modismo”. Tem quem simplesmente segue a moda e apenas toca porque está na moda sem pensar, e tem os que preferem pensar e “nadar contra a corrente” para mostrar, ou tentar mostrar, que o modismo é apenas mais uma consequência do comodismo brasileiro. Tipo, “sei que está tudo ruim, mas sei como ganhar dinheiro”.

(Rafael) Outro problema é que a maioria das bandas underground não se valoriza. Por exemplo, se uma banda cobra certo valor para tocar, normalmente se convida outra banda que não cobra nada. Quero dizer, não se paga por esse trabalho (que de fato não é para qualquer um) para colocar “qualquer coisa” em cima do palco em uma busca desenfreada do capital. Agora virou costume de algumas casas de shows e de alguns produtores obrigar a banda a vender certa quantidade, muitas vezes absurda, de ingressos para garantir o seu lucro. Isso é triste…

(Gabriel) Por outro lado, o cenário underground é algo que está crescendo, e muito, apesar de todas as dificuldades. Isso é bom! Mas tem que se valorizar.

 

MF: A banda é de Embu Guaçu/SP. Como é a cena underground na região? Existem locais para tocar? Existe algum tipo de incentivo?

(Rafael) A cidade é muito pequena. Os costumes são de gente do interior mesmo. No início da banda a cena era mais movimentada. Devido às várias dificuldades de apoio e locais para se tocar, o metal é algo que quase não se houve falar hoje em dia na cidade, algo que dificulta ainda mais a perpetuação da cena underground por aqui.


MF: Qual a situação mais bizarra, engraçada ou fora do comum que aconteceu em um show do Caoscentria?

Uma vez fomos convidados para tocar no aniversário de um amigo da banda em um sítio perto da divisa da cidade. Chegamos lá montamos as coisas e esperamos um pouco. O que não foi falado para a banda é que era algo só de família, tipo 10 ou 15 pessoas, com mais aquela tia que não se via faz tempo, a vó do sujeito por lá e toda aquela coisa bem família mesmo! Por insistência do nosso amigo, resolvemos tocar, mas paramos na 4° ou 5º música, pois de fato ali não era lugar para isso. Literalmente. (risos).

 

MF: O Caoscentria irá participar com a faixa “Revolta” na coletânea Metal Front – Vol I. Vocês acham que essa música representa bem o que é o Caoscentria? Qual outra faixa indicariam para um ouvinte de primeira viagem?

Não necessariamente. Como havíamos dito, a letra faz parte das exceções. Mas fora isso, a música é bem a cara do Caoscentria sim. “De alguma forma” apesar de ter sido a primeira música que fizemos neste estilo, representa bem a banda bem como “Desordem” que conta com a participação do Marcus do Claustrofobia.

 

MF: Quais são os planos para o futuro?

Primeiramente focar totalmente na elaboração do 1º play. Isso é algo que sabemos que estamos em dívida e que sem isso não conseguiremos pensar em muitas outras coisas. Após o lançamento deste, aí sim correremos atrás de divulgação de uma maneira mais geral. Mas sem um trabalho satisfatório no qual nos sentimos confortáveis não se tem muita opção.

 

MF: Por fim deixe uma mensagem para os bangers que já conhecem a banda ou que passaram a conhecer agora!

Gostariamos de agradecer a todas as bandas que já dividiram o palco com a gente. A todos os fãs que vão aos shows e que sempre nos deram força. Aos bangers novos que estão conhecendo o nosso trabalho através dessa coletânea, o nosso muito obrigado “adiantado”. Agradecer também em especial a banda Red Front que está à frente desse trabalho e que está andando lado a lado com o Caoscentria.

Valeu bangers!


A banda de um só homem! /Demannura/

DEMANNURA

O Demannura foi formado no final de 2007 pelo multi-instrumentista Albert Sollrak na cidade de São Paulo, a primeira DEMO da banda ganhou o nome de “Tales from the subconscious” aborda temas variados sobre o lado negro do ser humano.

Albert nos conta que é o único integrante da banda não por opção e sim por necessidade, e que seu som é influenciado por bandas como: Sepultura, Napalm Death, Fear Factory, Metallica e Strapping Young Lad, de acordo com o próprio Albert “Infelizmente no momento a banda é virtual, gostaria de estar mandando ver ao vivo, mas as circunstâncias me obrigam a ficar assim. É muito difícil encontrar pessoas dispostas a tocar mesmo, a acreditar no sonho! Mas quem sabe você abrindo o espaço no blog as coisas mudem”. Então se você é de São Paulo e está procurando uma boa banda (para ouvir ou tocar!) confira o som da Demannura.

 

Nome: Demannura

Integrantes:

Albert Sollrak –

Voz

Guitarra

Baixo

e Bateria

 

 

Musica:

“My Sentence”

 

There is no peace and justice

To people like us

You dont believe in my words

You dont realize

 

Feel the hate inside you

Between your eyes

I hope that you enjoy this

‘Cause it’s not a lie

 

Lord! Send some help here!

Please! Dont you like me?

 

I see the face of agony

Inside my cell

Waiting for this moment

There is only fear

 

They tell me that I’m a killer

That I have to pay

I will be killed tonight

Everybody will see

 

Hell is waiting for me

God spit in my face

It makes burn my eyes

See you on the other side

It’s a sacrifice

Devils pull me legs

 

I’m a serial killer

I’m a fucking killer

 

 

O que essa musica representa para banda?

A música se chama “My Sentence“. Ela fala de um condenado que está próximo de seu fim. Um pouco antes de sua execução, ele se depara diante do espelho e começa a falar consigo mesmo. O resto a letra fala por si só. A estória foi criada por mim.

 

Quer saber mais sobre a banda, acesse:

Myspace: http://www.myspace.com/demannura

Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=100582714         

E-mail para contato: alberichy@gmail.com 


Supersonica: Porque não é só de peso que se vive o rock!

SUPERSONICA

A banda de hoje é pra quem gosta também de um som mais rock’n’roll, o Supersonica é uma banda que traz para sua musica uma sonoridade bem única, com letras em português e também em inglês, um rock mais moderno, ou como os caras da banda mesmo definem “A SUPERSONICA é a união de quatro caras vomitando o resultado da mistura de suas influências e pensamentos e anseios e batalhando em prol da revitalização e da não-banalização do verdadeiro Rock n’ Roll.”

Vale à pena conferir o trampo desses caras que pelo visto prezam pelo profissionalismo!

Nome: Supersonica

Integrantes:

Leo couto (Voz/guitarra)
Rica Nogueira (Guitarra/B.Vocal)
Marcio Lanzarini (Baixo/B.Vocal)
Euler S. (Bateria)

Musica:

Supersonico

Hoje eu vou devorar

suas cores quentes,

e um doce eu vou colar,

colorir a mente.

Abre a porta eu vou entrar,

eu trouxe muita gente!
E agora eu vou pirar

da laranja cadente.

E o que passou não importa mais,
só o teu prazer ja satisfaz.
toda dor ficou pra traz,
eu quero até não aguentar mais!

Agora eu vou ficar!
Supersonico!

O que essa musica representa para banda?

Primeiro som, que deu o nome e definiu a pegada da banda logo em seu início, fator decisivo para que rolasse a união e a química entre os membros da banda e totalmente responsável pela decisão do “rumo” autoral que a banda tomou após seus primeiros ensaios desencadeando alí a pegada e a linha sonora que define o que é “SUPERSONICA”.

Quer saber mais sobre a banda, acesse:

Myspace: http://www.myspace.com/supersonicarock
Twitter: http://twitter.com/supersonicarock
Fotolog: http://www.fotolog.com/supersonicarock
Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1766335010
Orkut (perfil): http://www.orkut.com.br/Main#Profile?rl=mp&uid=5869523467501011249
Orkut (comunidade): http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=72988853
BDG: http://www.bandasdegaragem.com.br/supersonica (Downloads)
E-mail: supersonicarock@hotmail.com